Retirada de Lesões de Pele em Geral

Retirada de Lesões da Pele

Retirada de Lesões de Pele em Geral (Tumores, Nevus, Cistos, Manchas)

Quais as lesões de pele mais comuns?

Existem inúmeras alterações da pele que surgem no decorrer da vida e levam os pacientes aos consultórios de cirurgiões plásticos e dermatologistas. De uma maneira ampla costumamos dividi-las em benignas e malignas. Dentre as lesões benignas são freqüentes as manchas, nevos (lesões pigmentadas com ou sem relevo), calosidades, cistos sebáceos, lipomas e lesões vasculares (hemangiomas). As lesões malignas mais freqüentes da pele são os tumores cutâneos, carcinoma basocelular, carcinoma espinocelular e melanoma. Estes tumores são comuns em pessoas que sofreram exposição solar intensa sem proteção ao longo da vida, sobretudo pessoas de pele clara. O diagnóstico é feito através do exame clínico e pode necessitar de avaliação complementar com a dermatoscopia, um método diagnóstico de lesões cutâneas com um aparelho que possui lente de aumento. Após esta avaliação será definida a conduta de observar ou retirar cirurgicamente a lesão e enviar para estudo anatomo-patológico.

Quais os cuidados pré-operatórios?

A avaliação pré-operatória inclui exames laboratorias como hemograma e coagulograma. O uso de algumas medicações como ácido acetil salicílico, ginko biloba, bufedil, vitamina E, anticoagulantes e fórmulas para emagrecer deverão ser suspensas pelo menos 10 dias antes da cirurgia. Qualquer medicação usada deve ser informada ao médico, pois várias delas podem causar efeitos colaterais que obrigam à suspensão da cirurgia.

Qual o tipo de anestesia?

A anestesia vai depender do tipo e tamanho da lesão a ser retirada. A maioria das lesões de pele pode ser removida somente com anestesia local no consultório ou clínica, porém se forem muito grandes ou localizadas em determinadas regiões, podem necessitar de uma sedação ou mesmo anestesia geral.

A cirurgia

A retirada da lesão é realizada conforme seu tipo e localização. O tempo cirúrgico depende da lesão e o paciente é liberado após o procedimento quando feito com anestesia local.

Cicatrizes

As cicatrizes resultantes de uma retirada de lesão de pele são proporcionais ao seu tamanho, e em alguns casos de grandes lesões pode necessitar de retalhos ou enxerto de pele.

Dor

A retirada de lesão de pele causa pouca dor e, quando existente, é perfeitamente controlada por analgésicos. O movimento da área onde foi realizada a cirurgia deve ser mais restrito nas duas primeiras semanas para não despertar desconforto ou dores.

Recuperação

O curativo tem a função inicial de proteger a região operada e, mais tarde, ajudará a manter a boa qualidade da cicatriz. Ele será trocado apenas por nossa equipe semanalmente, podendo ser molhado e secado com secador de cabelo ao longo do 1º mês. Os pontos são retirados entre 7 e 20 dias da cirurgia. Depois disso outras medidas mais leves poderão ser usadas, como cremes e protetores solares, até que a cicatriz fique mais madura (em geral até 4-6 meses). Após a cirurgia, o paciente deverá tomar o antibiótico indicado, em geral por 7 dias, além de um antiinflamatório por 3 dias e um analgésico apenas quando sentir dores. O primeiro retorno será após 4 dias da cirurgia e, depois, semanalmente para troca de curativos e acompanhamento. Tomar sol pode marcar permanentemente a cicatriz recente (vermelha) e deverá ser evitado por completo no início, sendo liberado gradualmente e com proteção adequada de acordo com o clareamento (amadurecimento) da cicatriz.

Resultado final

Nas primeiras semanas a região operada permanece inchada e com manchas roxas que desaparecerão gradativamente. O estudo anatomo-patológico definirá a natureza da lesão, se sua retirada foi completa e se há necessidade de outra cirurgia ou procedimento complementar. As cicatrizes inicialmente avermelhadas tornam-se mais esbranquiçadas e finas. Consideramos definitivo o resultado após a regressão completa do edema e cicatrização, que ocorre de 6 meses a 1 ano.